O grupo Sarau da Onça atua em Sussuarana (Novo Horizonte) há mais de sete (7) anos, nas dependências do Espaço CENPAH – Centro de Pastoral Afro – pertencente à Paróquia São Daniel Comboni. Vale salientar que o bairro se localiza numa região periférica de Salvador, onde o acesso aos bens culturais nem sempre é acessível, devido à distância dos principais centros culturais, bem como pela baixa renda de seus moradores.

O Coletivo Sarau da Onça, nessa perspectiva, ocupa um lugar de importância ímpar, atraindo jovens e adolescentes para atividades culturais, o que lhes pode livrar de serem cooptados por atividades destrutivas à cidadania. O Sarau da Onça desempenha suas atividades com o apoio da CENPAH, cedendo o espaço físico e equipamentos de som etc. O grupo de jovens e adolescentes que organiza o evento o faz voluntariamente e sem recursos financeiros, sempre buscando parcerias na comunidade onde mora e fora dela, sempre que possível. Um terceiro livro produzido pelo coletivo não só daria consistência ao trabalho que é realizado desde 2011, como também dará fôlego ao ânimo dos participantes e atrairá muito mais pessoas para o trabalho coletivo, literário e cultural, ampliando, assim, o raio de atuação e alcançando novos horizontes no cenário artístico e cultural da cidade.

Sandro Sussuarana é um dos idealizadores do projeto Sarau da Onça, é produtor cultural e articulador de Jovens do bairro de Sussuarana, tem participação em várias atividades culturais da cidade do Salvador como: Ações Poéticas nas Comunidades do MAM (Museu de Arte Moderna) e na comunidade de Novos Alagados (Uruguai) em 2012. Fez parte da organização das edições do Hip Hop na Onça de 2008 até 2012 como Apresentador e também na produção do evento. Foi um dos idealizadores do Projeto Perife’Art projeto realizado em 2008 no bairro de Sussuarana,época e que fazia parte do Grupo Juventude Negra Pela Paz, desenvolvendo oficinas de Estética Negra, Identidade Negra, Dança, Teatro, Bordado, entre outros, com finalização das atividades em formato de amostra para toda a comunidade, realizando um desfile de tudo o que foi produzido pelas oficinas, e apresentação de grupos culturais do bairro, projeto este que foi realizado com o apoio da CESE (Coordenadoria Ecumênica de Serviço).

Participa da FLICA (Festa Literária Internacional de cachoeira) desde a edição de 2013, pela Fundação Pedro Calmon.
Participou da 1º festa Literária do Pelourinho (FLIPELÔ).